quarta-feira, 16 de setembro de 2009

ESTRÉIA OS FAMOSOS...

Ismael e Esmir
No domingo, 27 de setembro, às 21h30m, no Cine Odeon, no Rio tem a pré-estréia do filme dos lajeadenses Ismael Caneppele e Tuane Eggers: OS FAMOSOS E OS DUENDES DA MORTE. Em seguida o lançamento do livro que deu origem ao roteiro.

“O filme conta a história de um garoto de 16 anos, fã de Bob Dylan, que vê o mundo através da internet enquanto sente seus dias passando numa pequena cidade de origem alemã, no interior do Rio Grande do Sul. A volta de uma figura misteriosa o envolve num mundo além da realidade e quem assiste embarca totalmente nos sentimentos desse menino - interpretado pelo ótimo Henrique Larré em sua estreia como ator.


É um filme brasileiro que não tem samba, mas Dylan (e seu "Mr. Tambourine Man", música que faz parte da trilha sonora do longa e foi autorizada pelo próprio cantor) e
Nelo Johann, artista de 25 anos que também nasceu na região do Vale do Taquari, onde "Os Famosos..." foi filmado.

* Lajeado ( bairro Carneiros) Estrela, Arroio do Meio e Cotiporã.

Este artista traz em suas composições uma melancolia irônica e poética, e as melodias traduzem a dor do protagonista. O diretor conheceu Nelo na internet.

"Ele tá no MySpace, foi lá que eu ouvi incessantemente os 12 álbuns com mais de 150 músicas dele durante a criação do roteiro, o que me ajudou muito a entender e a desenvolver essa atmosfera obscura e sombria do filme".

A trilha sonora, sem dúvida alguma, é um dos pontos altos.

"Conseguimos os direitos da música do Bob Dylan na fase do roteiro, pois para nós era muito importante saber se teríamos a música, senão seria outro filme. A letra de "Mr. Tambourine Man" transborda o sentimento do menino e era imprescindível que a música estivesse lá, assim como seu nickname (apelido usado pelo garoto no MSN) e todas as menções ao Dylan", explica Esmir.

Esmir e Henrique Larré
Ismael Caneppele, autor do livro que deu origem ao filme e que será lançado logo mais pela editora Fina Flor, além de interpretar o misterioso Julian, complementa:
"Por mais que Bob Dylan não tenha surgido junto com os adolescentes retratados no filme, e sim nos anos 1960, ele continua representando todas as gerações, simplesmente por traduzir o que essa fase da vida significa: mudança. Dylan personifica muito bem as passagens através de suas músicas. E o livro, assim como o filme do Esmir, são sobre elas [as passagens]".
Sobre os europeus, ele diz: "Acho que, para eles, ver esse filme é como ver um retrato de si de uma parte que partiu. A cidade do filme é como a que nasci, são compostas por imigrantes europeus que vieram no século 19. Mostrar o filme aqui é dar a eles a oportunidade de se enxergarem em uma possibilidade que poderiam ter vivido".

A relação entre mãe e filho também me parece muito importante ao filme. Como se ela mostrasse tudo o que a gente queria falar para os nossos pais - e eles pra gente -, mas não sabemos como.
Segundo Esmir, "o livro tem momentos maravilhosos que mostram bem isso". No filme, o garoto que não tem nome - como na internet, em que muitos teclam sem revelar seu nome verdadeiro - tem uma solitária relação com seu computador, comunicando-se com seus amigos através dele e, por outro lado, com sua mãe, através da televisão. É o momento de encontro entre filho e mãe, enquanto ela assiste a novelas, como toda brasileira de sua geração.


Tuane e Ismael

Subjetivo, o longa revela um Brasil que nem todos conhecem, não só pela região influenciada pela cultura alemã, em que os mais velhos não falam português (!), ou pelo clima frio do Sul no inverno, mas justamente por mostrar as fortes sensações e pensamentos de um adolescente que faz parte dessa cultura atípica ao país, mas que não deixa de ser brasileiro.”



Os Famosos..." também nos apresenta outra atriz,
Tuane Eggers, que, assim como Henrique e Samuel Reginatto (que interpreta o irmão da garota, chamado Diego, o único que tem nome no filme), também foi encontrada pela direção na internet.
"Fui atrás de adolescentes dessa região do Sul que tinham blogs, MSN ou postavam fotos e vídeos no Youtube e fiz testes com vários deles."
O diretor se apaixonou pela maneira como Tuane retratou sua vida através do Fotolog.
Todas as fotos - também subjetivas - usadas no filme são dela.

Fonte:
http://www.colheradacultural.com.br/

* Em Lajeado? Em Lajeado?

Um comentário:

Gui, Nina e Sosô disse...

Fico feliz de ver a cena artistica de lajeado perdurando, apesar de todos os pesares.
Também acho importante a divulgação de uma cultura que algumas pessoas nem sabem que existe, e acho que a Tuane é ÓTIMA para representar este papel... quanto ao resto do pessoal, não conheço
Mas..
Parabéns aos realizadores e, estou curiosa para conferir o resultado.


Marina Born.
Abraço!