segunda-feira, 16 de abril de 2012

AVON NA BERLINDA

 Ta bombando no feicibuqui os protestos contra a Avon. 

5 comentários:

Róger D'Oliveira disse...

Querida Laura Peixoto, me conceda uma ponderação. Quanto a primeira campanha, não farei juízo porque não sei qual é o tal livro que está sendo ofertado. Dificilmente adquiro estes produtos de revistinha.

Defenderei a AVON quanto ao segundo material. Desde 1988 a AVON não testa mais seus cosméticos em animais. Já a NATURA em 1996 aboliu os testes em animais.

Eu sei disto, pois era ativista pelos direitos animais e investigamos o caso.

Abraços linda.
R.

Laura Peixoto disse...

Pois é Roger, será q é coisa do concorrente?
Olha o site: http://esdjccg.prof2000.pt/a/056/MARCAS.htm

Cruzes....

Anônimo disse...

Qual é a dica? Testar em pessoas? Usar sem ser testado?

Testar em bonecas e não ter valor algum?

serjao disse...

Mas a verdade e justamente essa:tudo ai no mercado onde o consumidor vai meter a mao precisa de certa forma ser "testado" antes de sentar nas prateleiras.E alguns bem mais que outros.Remedios, por exemplo!Na busca constante de curas para o que nos aflige, tenho a impressao, as vezes, de que certos meds nos sao oferecidos por Laboratorios sem o tempo nescessario de estudos mas nos alertando para uma "miriade" de possiveis contra-indicacoes,dependendo do estado geral do paciente.Um comercial na TV de 1 minuto, fala 15 segundos dos beneficios e os outros 45 sobre contra-indicacoes.O importante e sempre exercer bom senso, em tudo.Principalmente com a saude de um.

Róger D'Oliveira disse...

Sou favorável a abolição dos testes em animais.

Há um documentário chamado "NÃO MATARÁS", o qual está disponível no YouTube.

Para ter opinião quanto aos testes, basta ser equânime ao se comparar as outras espécies de animais. Ninguém quer ser cobaia. Você quer?

Há muita tecnologia. É dispensável o ritual de testar.

Ou iremos contibuar a usar os dóceis cãezinhos Beagle para testar a capacidade de acidentes dos eletrodomésticos.

Ou ainda, testar colônias masculinas em coelhos albinos, derramando o produto em seus olhos por serem muito sensíveis, são praticas condenáveis e inadmissíveis.

Pelo fim da escravidão animal.