quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Atrás de todo homem...
uma mulher, no mínimo, interessante?



Nem sempre. Os opostos se atraem, diz o povo.
Em ano repleto de lançamentos editoriais e palestras comemorativas ao centenário de morte do escritor Machado de Assis, ocorrido no dia 29 de setembro deste ano, a Biblioteca Nacional no Rio de Janeiro organizou a exposição “Machado de Assis – Cem anos de uma cartografia inacabada”, onde expõe uma imagem até então desconhecida da jovem Carolina, ainda em terras portuguesas.


Em 12 de novembro de 1869 ela passaria a se assinar Carolina Augusta Xavier Novais de Assis. Uma união que não deixaria descendentes sanguíneos, mas uma obra que inspira escritores até hoje, nos mais remotos cantos do mundo.

Um comentário:

Jorge Loeffler disse...

Discordo da afirmativa, pois um homem para ser grande precisa ter ao seu lado uma grande mulher. Se a mesma estiver atrás ele terá muito menos possibilidades de ser um grande homem, pois para sê-lo não precisa ser "empurrado", mas sim ter a parceria de uma mulher que esteja à sua altura.