segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

EMAIL DA CONTROVÉRSIA...

“Pelas fotos ficou difícil identificar o local, mas acreditamos que seja na rua José Schmatz,79, no bairro Florestal.

Se for neste endereço o empreendimento está licenciado, sendo que o empreendedor deverá realizar no prazo de um ano a reposição florestal obrigatória de 45 mudas de espécies nativas, sendo responsável pelo desenvolvimento destas mudas durante quatro anos.

A araucária somente possui restrição de corte no período de abril a junho devido ao período de frutificação.

As mudas que o empreendedor deverá plantar devem ser nativas e somente nativas e da espécie que está solicitando o corte, a legislação prevê este condicionantes.

O município possui um legislação específica municipal que exige que a reposição seja realizada dentro do nosso município e estamos priorizando áreas de preservação permanente.

A legislação também prevê a responsabilidade do empreendedor por quatro anos pelas mudas plantadas. Este tem um prazo de um ano para efetuar o plantio, nós controlamos este prazo e fazemos vistoria e relatório de constatação de plantio para averiguar o estado em que as mudas se encontram, se o número de mudas plantadas confere com aquele solicitado no alvará.


Caso essa reposição não tenha sido feita o empreendedor pode ser autuado.

Quanto as araucárias elas estão na lista de espécies ameaçadas e não imunes como é o caso da figueira, que mesmo imune ao corte ainda pode ser transplantada, pois a lei permite.
Para se autorizar o corte leva-se em conta uma serie de critérios técnicos e legais.”


Simone Schneider
Sema - Lajeado


7 comentários:

Anônimo disse...

è verdade. Lei é para ser cumpridade, agrade ou ñão.

Micro-man disse...

Eita este Anônimo sabe tudo de lei!

Se lei resolvesse tudo faríamos uma lei para todos serem ricos e felizes.

Anônimo disse...

quer dizer que antes de abril e depois de junho as araucárias podem ser derrubadas?
Contem outra.

biólogo

Maurício disse...

Laurinha,
a priorização deve ser as palmeiras que tanto tu fala.
As araucárias ameaçadas e a secretaria que deveria presevar sempre autorizando o corte.
Gente tosca.

Heinz disse...

pois é,então vamos lá fazer de novo reposição de árvores urbanas lá no canto delá do município,beeeeeeeeeeeeeeeeeeem na divisa com forquetinha

heinz schnack, o cara que fez a foto de uma das últimas araucárias da cidade que ganha prêmio do meio ambiente


ps.: gente tosca mesmo

Cáudio Roberto Lamel disse...

Ecochatos, então me digam, se na lei á permissões, quem que pode poribir, o município?, dai o cara etra na justiça e leva.
E o município responde por infração a legislação, toscos são os que não querem ver.
E outra coisa, auraucária, pleo que sei não é imune, mas obedece critérios como qualquer outra árvore, não é que pode sair derrubando, tem critérios, procurem entendidos da área, ou vão estudar um pouco sobre o assunto, drds.
Chega ser,.... sem palavras

Heinz disse...

'á' existe?...até onde eu sei,pros alfabetizados, é 'há', no sentido de existir

por isso que dá gosto de passear por áreas de porto alegre onde nem há necessidade de ecochatos,já que os engenheiros e arquitetos de lá costumam aproveitar-se da vegetação existente no terreno para valorizar sua obra

uma pergunta:
os espaços urbanos precisam mesmo ser todos ocupados por concreto e asfalto?

detalhe que faltou: em frente ao local da derrubada da araucária, bem como da guajuvira, que estavam em pontos extremos do terreno, há um posto de gasolina que emite gases.
uma 'cortina vegetal' não teria sido uma boa sacada?