quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

IMPOTÊNCIA NOSSA DE CADA DIA


Photo by Alexandre Auler In http://www.picturapixel.com/blog
Li com atenção a reportagem sobre a queda de ocorrências da Polícia no Informativo. Pelo visto, a Polícia não contabilizou os assaltos à residência, ou melhor, os não-flagrantes.

O Bairro Americano tá na mira. Só no dia 31 foram cinco casas.
Na cidade foram mais de 50 – disseram na delegacia para uma pessoa que foi registrar um crime.


No Americano, em novembro, um morador foi assaltado com duas armas na cabeça.
Um dos ladrões é segurança em festas e o outro um frequentador das mesmas festas... Esse último está sendo acusado de estupro. Não é a primeira vez. Mas, ele circula livremente pelas ruas de Lajeado e a polícia não pode fazer nada, porque não é flagrante.
Estão debochando da gente: assaltos caem em Lajeado mostram as estatísticas?
O bairro Americano é uma terra de ninguém à mercê da bandidagem. Com o asfalto ficou melhor ainda. Aplausos para a prefeita e seu “compromisso com a comunidade” e para a polícia de Lajeado.

5 comentários:

Emilio Rotta disse...

Grande Laura:
Como conversamos via e-mail, eu estranho o que está acontecendo. Como autor da referida matéria, acho que tenho o direito de comentar.
Uma das minhas funções como repórter policial do jornal O Informativo é ir em delegacias diariamente conferir o que de "bom" acontece na região. Estes crimes citados no blog e reclamados por dezenas de moradores, estranhamente, não existem na polícia. Ou não foram registrados todos, ou estão escondidos. Lembro de ter visto uns quatro ou cinco arrombamentos, mas não há tantos casos de assaltos, de famílias reféns, de casas depenadas em quantidades absurdas.
Podemos estar diante de dois fatos: ou a polícia não está mostrando os registros (que também podem ter sido feitos pela BM e ainda estar em "trânsito" para a Civil), ou não foram reclamados.
O primeiro escancara uma falha que ocorre entre as duas instituições há anos, desde que a BM passou a ter a função de tb lavrar a queixa - até agora não foi criado um meio de agilizar as informações entre as "co-irmãs". O segundo, um problema grave: a falta de confiança de que registrar os fatos vai resolver. A cifra negra existente prejudica os trabalhos dos órgãos de segurança pública e deixam vítimas a ver navios: afinal, se não ha crimes, pq a polícia irá investigá-los?
Cabe a estes moradores, se registraram as ocorrências, reclamar e cobrar resultados. Se não registraram, que o façam.
Nota: os crimes aconteceram nos feriados do Natal e do Ano Novo, período em que mais de cem detentos do Presídio Estadual de Lajeado receberam o direito de passar as festas com a família. Pelo menos um deles foi preso no período cometendo assaltos...

Um grande abraço
Emilio Rotta

Anônimo disse...

Lá em Moinhos ja me visitaram tres vezes. Numa delas, eu prendi o ladrão, que era de menor e adivinhem.... Antes que eu terminasse de preencher a papelada na delegacia, o guri, que já tinha várias passagens pela polícia,ja tava solto. Pra completar, ainda fui processado pelo ministério público, pq tirei uma foto dele e mandei pros meus amigos tentando alertálos.

Ezequiel disse...

O negócio é a simples "camaçada de pau!". Vai que resolve!?

O olho do Linceu disse...

...e ainda acham que adianta registrar... o negócio é contratar o Paulão do morro do 25 e fazer justiça com as próprias mãos... e ainda querem falar mal da contra-revolução de 64... o pau comia solto, mas só para quem merecia... saudade desta época... e a Laura era uma gatinha que morava na Marechal de Deodoro...

Lajeado Brilha disse...

Eu ja tive o som do carro roubado tres vezes nos ultimos anos em Lajeado... Na primeira vez, eu registrei logo. Nada aconteceu. Na segunda, registrei por causa dos documentos que tinham sido levados junto, só pra me precaver. Na terceira, ja nem registrei mais. Cansei de virar estatística...