terça-feira, 4 de setembro de 2012

DO MEU BLOQUINHO...


.tenho insônia. talvez os fios estejam mesmo desencapados dentro da cabeça. hoje cristiano wildner passou por aqui. durante duas horas conversamos sobre o blog, objeto de estudo do seu tc em jornalismo. to me achando. outra noite de insônia até responder o que aprendi com o blog? não posso simplesmente responder que se perde amigos e se briga em família. seria muito simplista. fiquei de pensar. tb quer saber qual é o projeto do blog hoje. qual? qual? e precisa? mudança de mentalidade, de paradigmas à vista. eu, hein? o wildner vasculhou o blog. acesso até a caixa-preta. se vazar, atropelo esse guri. os fios estão desencapados mesmo. curto-circuito, orra.

6 comentários:

aga disse...

em tempo: vlw muito pela frase q veio junto com o autógrafo no livro !

Anônimo disse...

Interessante esclareceres aos teus seguidores o que significa o aluno de jornalismo poder acessar tua caixa preta e teu receio por vazamentos. A forma como colocaste gera insegurança.

Bernardo Mallmann - Lajeado-RS disse...

Laura,
se é verdade que o blog te tirou alguns amigos, certamente o foram em número bem menor dos que ganhaste com ele.

Laura Peixoto disse...

Caixa preta é aquele cubículo da net onde estão os impublicaveis, q podem gerar processo, os desaforos, essas coisas de ferver a bílis, escorrer o fel...

Róger D'Oliveira disse...

Sucesso ao Cristiano Wildner. Eu acho que ele bonito e inteligente.

JORGE LOEFFLER .'. disse...

Laura eu me imaginava o único blogueiro incompreendido pelos familiares. Isso pelo menos me conforta um pouco. Quanto aos amigos depende muito do que se considere amigos. Para mim amigos são os poucos a quem se pode confiar a família. Assim sendo amigos se conta nos dedos. Os que nos cumprimentam por razões as mais variadas na rua não são necessariamente amigos. Lembro que em Taquara e já aposentado a frau toda vez que saíamos de casa alguém que passava de carro abanava e ou buzinava e ela me perguntava de quem se tratava. Alguns até conhecia, mas a maioria não tinha ideia quem era. Talvez me imaginassem parecido com alguém de suas relações, sei lá. Por outro lado os blogs nos propiciam conhecer algumas pessoas dignas e respeitáveis com as quais nos identificamos algo raro nesse mundo em que fala mais alto o ter e não o ser concordas?