domingo, 2 de setembro de 2012

CAMINHOS DE TAMANDUÁ

Domingo cheio hoje... Mais uma edição das Caminhadas do Alício. Ops, de Tamanduá. Porque "Caminhos da Colônia" já foi registrado pelos gringos de Caxias. Como tudo começou em Tamanduá... Nada mais óbvio. De lá ônibus até Pouso Novo.
A organização se puxou: ambulância e  carro de apoio. Vai que alguém tinha uma insolação, um pé torcido, uma diarréia... Os ônibus largaram os caminhantes em Picada Castro.
Ponto de partida: o visual mais bonito.
 Alício de Assunção dá as instruções:
todo mundo junto
vai que um combatente da Batalha do Duduia ande por aí,
sem saber que a guerrilha terminou?
Alongamento...
Deus por perto.
 Dada a largada...
 Atrapalhando o domingo da dona  Lindóia.
Pelo caminho muitas araucárias.
Encruzilhada?
Mas, ninguém foi visitar o Osmars...
 Pausa para foto e o paredão nos fundos, emblemático:
não tem nome.
 Araucárias vivas.
Araucárias mortas...
 Curiosidade disfarçada: tanta gente passando
por aquelas lonjuras. Mas, nem os cães ladraram.
Vale de Fontoura Xavier:  pausa para foto.
Arroio Duduia?
 Pessoal de Belém do Pará!
 Chegando no Paredão...
Tem gente que saiu de festerê de Porto Alegre 
para cair direto na estrada do Duduia...
Um varal... Intimidades à vista.
 Maquinas em punho...
 Sol torrando e ainda muito chão pela frente.
Enfim, água, enfim!
Leandro Arenhart, se encolhendo 
para pagar um engradado de cerveja 
no dia de hoje: 42 anos.
Mais fotos aqui: 
 Sombra é tudo.
Sim, sombra e água fresca.
 Improvisando...
 Nada combina mais com o lugar,
mesmo politicamente incorreto...
Prefeito de Pouso Novo, Jovane Nardino,
prometendo que a caminhada estava quase chegando ao fim.
 Oito quilômetros depois...

 ... o Arroio Duduia!
 Pausa para massagear os pés e descansar.
Mais um pouco...
 A placa rústica confirma... Uma nova invasão do Duduia.
 Dizer que a turma getulista despencou desses morros vindo de Soledade para trocar facões e tiros com o pessoal de Lajeado que não queria rever a Constituição. Sim, cada um conta o passado do seu jeito: momento de reflexão histórica. De longe,um som de gaita...
Seu Nildo Pires recepcionando os caminhantes...
 ... sedentos e loucos de fome.
Aqui só a metade da turma de mais de 150.
A próxima ficou marcada para dia 21 de Outubro, em Tamanduá:
um ano de Caminhadas... Quem diria?
Começou com um grupo pequeno e agora, multidão.

4 comentários:

Anônimo disse...

Fui oficial de justiça e tive a oportunidade de trabalhar nessa região por muitos e muitos anos, bom lembrar, conheci geladeira a gás andei de caico em cavalo tudo em nome do trabalhao

JORGE LOEFFLER .'. disse...

Que coisa linda isso tudo Laura. Confesso que se hoje tivesse somente os 44 do aniversariante teria estado aí com vocês mais do que faceiro. Só um reparo. Numa das fotos consta: “Deus por perto.”.
Ali naquele prédio não sei, mas no restante do espaço por onde vocês passaram havia incontestáveis indícios da presença d’Ele.

O que caminhei na ExpoInter na sexta-feira quando fui conhecer dois amigos virtuais, o advogado e teólogo João Francisco Rogowski e o Desembargador aposentado Alfredo Foerster me deixou quebrado. Ainda sinto os efeitos de tal caminhada. O nosso encontro foi promovido pelo Ruy Gessinger, um amigão e blogueiro. Apesar do cansaço foi um dia formidável e dentro de minhas imitações o descrevi no blog.

Anônimo disse...

Na próxima eu vou.

Róger D'Oliveira disse...

Se eu tivesse carona, iria. Não tenho onde deixar a minha magrela!