quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

ASSINO EMBAIXO...

LIÇÕES DO OSCAR

“ (...) Por que não ir ao cinema ver os ganhadores do Oscar em salas de shopping center fedendo a pipoca e tomadas por ruminantes com roupas de grife? Fui.

(..) Filme que ganha muitos Oscars não é confiável. Garanto. Melhor ver filme iraniano, uruguaio, costarriquenho e até brasileiro.

(...) Finalmente, impulsionado por minha ética jornalística mais profunda, saí de casa para ver 'Quem Quer Ser um Milionário?'. Depois de 15 minutos, graças à minha longa experiência acumulada (...) eu já podia afirmar sem hesitação: que filme vagabundo!

Um novelão global com ênfase mexicana e matéria-prima indiana. Um daqueles dramalhões piegas com direito a beijo romântico no final e a uma infinidade de peripécias do gênero dois irmãos órfãos disputando ocasionalmente a mocinha, bandidos grotescos, quedas de trem, herói e heroína perdendo-se, sofrendo, apanhando e achando-se na redenção final.
Como se diz, uma história de superação.

(...) O cinema indiano para ganhar Oscar tem tudo para emplacar em Ciudad del Este. Hollywood premiou a sua capacidade de disseminar o pior pelo mundo.

(...) O Brasil não precisa morrer de inveja. Temos Glória Perez, autora de 'Caminho das Índias', certamente a novela mais idiota da história da televisão brasileira.”


juremir@correiodopovo.com.br

2 comentários:

Monica disse...

Parabéns pelo Blog, está cada vez melhor! Quero lembrar a linda Escola de Samba vencedora do Carnaval 2009 de Porto Alegre. " Sou Colorado, sou Imperador. Nesse mar eu vou, que Felicidade" Homenagem aos 50 anos da Escola e aos 100 anos do Time. Valeu!

MIcro Man disse...

Acho estranho que nas novelas da Globo os seus personagens não tenham nenhum tipo de anormalidade genética.

Também em lugares distantes do mundo, como agora na Índia, todos falam o Português sem sotaque, inclusive nas ralações familiares; beijam-se, traem e fazem fofoca em Português...

Como podem nós ocidentais produzir uma novela tão cheia de coerências para nos brasileiros, em uma cultura tão diversa?

Será que é só para ter audiência e receber mais dos já milionários patrocinadores? E pra quem assite, será que entende tudo aquilo?

Estou em crise de novo...