quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

FILOSOFIA DO CÁLICE CHEIO...

Nem é filosofia, é prosa de lavadeira...
Precisei renovar minha carteira de habilitação.
Ou fazia a prova. Ou o curso de 12h.

Paguei as taxas ciente de alimentar um Detran fraudulento.

Possuída pelo demônio sentei na sala junto com mais uns 30.
Sala com ar condicionado. Ou um ar contaminado por tosses e suores, por espirros e bocejos. E outros odores.


Um professor jovem de 28 anos.

“Não confie em ninguém com mais de 30 anos”, lembrei de uma antiga canção de Marcos Valle.

Mudaram os tempos...
Não dá pra confiar em ninguém com menos de 30, hoje.
Algo vai mal.

“Todo mundo tem o direito de matar alguém no trânsito uma vez. Pelas leis brasileiras não dá nada.”

Os alunos ouviram, riram e sequer questionaram.

E assim segui bufando e cumprindo a minha obrigação com as babaquices, ouvindo tanta insensibilidade e ouvindo aquele jovem disseminar seus preconceitos raciais e sua homofobia com piadinhas e insinuações.

Todo mundo vacila nos seus preconceitos.

O problema é quando eles são expostos de tal forma que ninguém ache que é preconceito.

Numa sala de trinta brancos, (sic) ninguém notou nada, será por morarmos numa cidade alemã? As pessoas nem se constrangem.
Tudo tão banalizado, inclusive, a morte.

A falta de sensibilidade do instrutor se referindo aos óbitos no trânsito foi singular.. Exemplificada com pessoas conhecidas na cidade. Como se, entre aqueles 29 alunos e essa bovina, um já não houvesse perdido um familiar ou amigo no trânsito.

Ninguém contestou nada. Um muuu geral.
Tudo em casa...

Poderia citar muitas outras coisas que me passaram ouvindo aquele cara com menos de trinta. Mas, não vale a pena.





Um curso de renovação de carteira de motorista, em qualquer CFC, não deveria levar mais de 6 horas, observando a objetividade.

Mas você paga 69 paus para as aulas; 44,55 para em dois minutos o médico avaliar sua visão e mais 34,87 para a carteira. Ou seja: R$ 148,42.
Então, é preciso justificar as 12 h que você assimila sobre direção defensiva, sinais de trânsito, penalidades, primeiros socorros.

E nas entrelinhas do discurso, a prepotência.


Quando descobri a profissão do instrutor, não estranhei mais nada, apesar de saber que no mesmo fosso, cabem todas as diferenças, inclusive vegetarianas como eu.

“Não pensem que o dinheiro das multas vai para a polícia. Vai para o Detran.”

Continuo com a música na cabeça...

“O diretor quer mais de trinta minutos
Pra dirigir sua vida, a sua vida
A sua vida
Eu meço a vida nas coisas que eu faço.”

7 comentários:

Roberto Ruschel disse...

Laurinha, e o MOTE para esta renovação é EVITAR ACIDENTES, mas aleguem o que quizerem, que não arredo pé de mais uma de minhas TEORIAS, os índices subiram quando passamos a ser vigiados eletronicamente, cujo objetivo é simplesmente a arrecadação. Aqui no São Cristóvão existe 3 lombadas, todas em ruas que ha colégios, porém todas algumas quadras depois, nas baixadas. Devem estar protegendo algum cachorro de madame, menos a criançada da APAE, GUSTAVO ADOLFO, ÉRICO VERÍSSIMO e do OTÍLIA. Dinheiro gostoso que não está no ORÇAMENTO e que se gasta como quer.
E daqui alguns dias, tem lombada nova. Será na antiga e recém asfaltada estrada para Arroio do Meio.

Wanda disse...

Estou de acordo com a pessoa que falou sobre o que ocorre na av.Alberto Pasqualini, e, incluo mais outrol locais onde acontece a mesma falta de respeito com o cidadão de bem desta cidade(cade as autoridades para exigir ordem e o cumprimento das deis? Wanda Schnorr

Anônimo disse...

Sou Policial, e oriento cada ser que anda sem sinto, pois, acredito que orientando talvez tenha um melhor resultado, mas o que descobri é que não adianta, então acredito que deverei autuar todos. Estou correta?????? ou vai ter alguém que dirá que a Brigada Militar está errada? Que existe tantos bandidos, e a BM só quer saber de trânsito...vai saber o que fazer para uma população que se fizermos todos cumprirem a lei, não estamos corretos, se tentarmos conversar, explicar, não adianta. Acredito que pra cada pessoa, a lei só vale para os outros, NUNCAAAAAA..pra si, somente os outros (longe do seu círculo de amizades) devem cumprir a lei.
É deprimente, outro dia uma moto fugiu quase atropelando as pessoas, imaginando ser um meliante armado, com drogas ou com uma moto roubada, seguimos atrás, depois de muitas voltas, a beleza foi para a sua casa, correu guardou sua motinho e saiu gritando que ninguém tirava de sua casa! ERRADO! Pois ele quase se matou e quase atropelou outras pessoas, para minha surpresa veio os pais dando o maior apoio ao filho...juro que nao acreditei, era um pirralho mimado, mal educado, que nao tinha carteira. E ainda tive que engolir um monte de asneiras dos seus pais, tipo; "deixa filho, o pai tem dinheiro, se eles levarem, eu compro outra"...
o problema da nossa profissão não é somente lidar com bandidos assumidos, vagabundos oficiais, o mais estressando é lidar com os ditos "cidadãos de bem", nossa, é os que mais dão dor de cabeça, são os que tentam de tudo nos tirar do sério, e vira-e-mexe, lá vem o advogado, rsrsr...

E não tem uma vez que estamos fazendo cumprir a lei, e em volta um monte de gente achando que estamos errado, que é abuso, que tem outras coisas pra fazer...

Amo muito minha profissão, acredito na importância que ela tem para a sociedade,mas, infelizmente, grande parte dela não mereçe a minha dedicação!

Policial Militar

MIcro Mna disse...

A policial anônima escreve muito bem quando fala de "sinto". Sim assim mesmo - sinto.

Certa vez o Ministro da Justiça, não há muito tempo - não interessa neste momento de que governo era, se deste ou um mais distante, defendeu que as multas aos motoristas infratores deveriam ser proporcionais ao valor do automóvel.

Isto mesmo, se as multas fossem maiores, mai$ educativa$, para veículos mai$ caro$ e reincidentes, o $into - ou o $entimento, seria muito maior. Sentir-se-iam mais nos bol$os dos abastados...
Filhos de papai e outros bundinhas contribuiriam mais com a educação no trânsito que os pé de chinelo motorista de Fusca e CG 125...

Anônimo disse...

rsrsr...o sinto, foi mal..rsr...juro q foi na empolgação...era devido ao sentimento de indignação...
Tá, valeu pela lembrança ...rsrsr
Tens razão qto aos valores, apesar de ser utopia...mas, seria uma boa medida, pq muitas vezes, para não respondermos por prevaricação, acabamos autuando pessoas que trabalham de dia, para se alimentarem à noite. Situação complicada!

Ah!.novamente....grata pela correção, ufa...ainda bem q foi só um engano pela euforia...senão, o caso seria grave!!..rsrsr.

PM

Micro Man disse...

É isto aí Sra PM Anônima, salvamentos virtuais e utópicos dão mais IBOPE do que os reais da BM.

Micro Man cansou de ser Super para passar a ser Micro Herói (continuo na dúvida sobre este acento no ditongo aberto, se cai ou se fica). Cansei da salvar velhinhas, capturar bandidos, assassinos e outros delinquentes, enquanto a sociedade produz mais desajustados que a capacidade de salvar de todos os Super Heróis juntos.

Anônimo disse...

Micro Man, fico feliz em poder ajudar...Não se usa mais acento nas palavras paróxitonas com ditongos abertos (éi, ói), fica assim: estreia, joia, geleia, heroico...(estranho, né?!), mas continuam sendo acentuadas as palavras oxítonas terminadas em éis, éu, éus, ói, óis. Ex: papéis, herói, troféu...no caso, vc está corretíssimo...

"a sociedade produz mais desajustados que a capacidade de salvar de todos os Super Heróis juntos."...outra vez correto!!!