quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

EMAIL OBSERVADOR...

"Há muito tempo venho me preocupando com a situação do Presídio Estadual de Lajeado e sua lotação excedente.

O nosso presídio recebe em suas dependências, reclusos dos municípios de Lajeado, Forquetinha, Canudos, Marques de Souza, Sério, Cruzeiros do Sul, Estrela, Bom Retiro do Sul, Fazenda Vila Nova, Teutônia, Colinas, Wetphalia e talvez outros.
Todos eles pertencentes às Comarcas de Lajeado, Estrela e Teutônia.


Entenda por comarca aquela cidade que tem fórum.

O que me deixa um tanto indignado com estas cidades é que todas elas aceitam receber escolas, delegacias de polícia, postos de saúde, casa de cultura, jardim botânico, hospital, rótulas, trevos...

Mas, quando se trata de receber um presídio não querem nem tocar no assunto.
Se estou equivocado, perguntem em Estrela, ou Teutônia ou em qualquer outro destes municípios se eles querem a construção de um presídio?

Deixam para Lajeado o ônus de encarcerar os desajustados.

Está na hora destas cidades assumirem sua responsabilidade e aceitarem a construção de
presídios em suas áreas.

Querem um Forum, querem uma delegacia, querem um hospital, pois tenham também o seu presídio."

Vilson Jacques Filho


Um comentário:

JORGE LOEFFLER disse...

Lady Laura muito oportuno esse comentário.
Não se trata de Fórum e sim Foro, segundo o Desembargador aposentado Ruy Gessinger (http://blog.gessinger.com.br/). Vamos, pois ao assunto. O ente estado tem seu papel a cumprir e cabe ao governante decidir onde necessário e conveniente instalar ou não um estabelecimento prisional. Infelizmente o que pensam comunidades e Prefeitos não deverá ter a menor importância. O problema reside em que governantes antes de tudo pensam em seus próprios interesses e na hora de decidir ficam se preocupando com possível perda de votos em eleição futura. São antes demais nada políticos profissionais e que esquecem o seu dever de decidir aquilo que seja bom para todos, independentemente de desagradar a alguns. Como exemplo cito um quadro hipotético. Um coronel da BM que vá à rua trabalhar (hipotético até por que eles não vão à rua, salvo o esperto do Mendes e sabemos por que) prende um filho de um deputado e tem a coragem de, como agente da Autoridade Policial que é o Delegado de Polícia, apresentar o dito cujo preso em flagrante delito. Continuemos em nossa imaginação; terá o Delegado dúvida em determinar a lavratura do Auto de Prisão em Flagrante depois de analisar tecnicamente referida prisão? Certamente que não, pois investido de autoridade por força do mandamento constitucional, não lhe importando se agrada ou não a quem quer que seja. Espero que este exemplo tenha sido claro o bastante a fim de esclarecer eventuais dúvidas que possam surgir sobre instalação de estabelecimentos prisionais em qualquer cidade. Cito ainda como conveniência de termos estabelecimentos prisionais próximos de nós, o caso de um vereador de Lajeado pego pelo MP com a mão na massa e enKLAUSurado aí na cidade. A presença da cadeia aí na cidade facilitou a vida de familiares e correligionários do mesmo durante sua passagem por aquela casa prisional. Viram com é bom ter uma cadeia bem perto de casa?