sábado, 12 de dezembro de 2009

SOBRE ESTRELA E SEUS DIAS...

O lado " brigão" de Rubens Hoffmeister...

"Quando fui fazer minha pesquisa pro livro sobre o Estrela F.Clube peguei o depoimento do atleta Renegado (Adroaldo Eckert).

Eis seu depoimento que está na pagina 79 do livro editado em 2005:

"Gabriel Mallmann (falecido, presidente do Estrela e depois prefeito da cidade) foi a Federação Gaúcha de Futebol (FGF). Tinha lá um julgamento de um atleta do Estrela. Aproveitou a ocasião e, no corredor, procurou o presidente da entidade, Rubens Freire Hoffmeister "pra puxar o saco dele, pra nós conseguir subir de uma vez por todas", contou Renegado.
Era o terceiro ou o quarto ano que o Estrela, segundo ele, era roubado em Venâncio Aires sempre da mesma forma:

“Nós chegava lá, eles tinham 10 só pra jogar, eles chamavam o 'Barriga', um cara que tomava cachça lá no boteco e chegava, roubava de nós e ganhava o jogo", lembrou o Renegado.

O diálogo na FGF entre Gabriel Mallmann (também um sujeito de personalidade forte) com o então presidente da FGF, segundo me contou Renegado foi este:

- Agora chega, tá na hora de nós ganhar, disse Mallmann.
Hoffmeister respondeu:
- Com uma cidade de 25 mil habitantes jamais vou deixar vocês subir...


Teutônia, Languiru, Canabarro, Colinas, Arroio da Seca pertenciam a Estrela. Gabriel resolveu colocar iluminação no "Walter Jobim" e convidou Rubens Freire Hoffmeister para inaugurá-la:

"Ele começou a se afrouxar aos poucos, mas custou pra nós subir, porque eles não queriam, não deixavam, roubavam de nós em todo o jogo" - recordou Renegado"


Fonte: http://www.deolhoseouvidos.com.br/


Rubens Hoffmeister

Ex-atacante do Cruzeiro de Porto Alegre, Rubens Freire Hoffmeister faleceu em dezembro de 2001 em Porto Alegre. Foi vítima de uma embolia pulmonar aos 68 anos. Seu corpo está sepultado no Cemitério João 23, na capital gaúcha.

Rubens ficou muito conhecido após assumir a Federação Gaúcha de Futebol, a qual presidiu por muitos anos. Também foi presidente do Cruzeiro e vice-presidente da Confederação Brasileira de Futebol.

Profissionalmente após encerrar a carreira trabalhou com revenda de combustíveis. Também comandou o sindicato das Agências Lotéricas do Rio Grande do Sul.

Por Marcelo Rozenberg
Fonte: http://esquadroesdefutebol.blogspot.com

SOBRE GABRIEL MALLMANN
“Depois que o ciclo do poder se fechou para Gabriel Mallmann, seus dias foram de solidão suportável, segundo sempre reiterava.
Era um homem tranqüilo diferente dos tempos que estava no poder quando atuava com muita energia. Falava muito em política. Estava sempre atento a tudo.
Gostava de conversar com as pessoas na rua, tomar cafezinho e comprar cigarros na Rodoviária. Recebia os poucos amigos no porão de se sua casa onde organizou uma cozinha, com mesa, geladeira, pia e fogão a gás.
Orgulhava-se do fato de ter assumido "Só" todos os atos de seu governo e as conseqüências também. Dizia: "houve erros, houve... mas eu estou pobre, foram equívocos administrativos".
Impetuoso e intempestivo, talvez em função de sua natureza não soube ou talvez não quis aceitar o fato de que a hora de parar já havia chegado. Erro que acompanha muitos homens públicos.
Um apedido em jornal da capital foi derradeiro para decretação de sua prisão em albergue no município de Lajeado.
Em abril de 1996, no dia de sua prisão o acompanhei até o albergue. Recebi uma ligação do ex-prefeito Gabriel e lembro bem quando cheguei em sua casa e lá estava o oficial de justiça Görgem com a determinação de detenção.
Gabriel estava tranqüilo, fez questão de levar sua máquina de escrever.
A cidade de Estrela estava num silêncio sepulcral.
A partir daí, amigos o levavam para Lajeado a noite e o buscavam pela manhã.
O regime da pena era semi-aberto. Já se passavam dois anos de agonia (1996-1998), quando na madrugada de 30 de junho de 1998, Gabriel Mallmann faleceu com 59 anos de idade, vítima de um infarto fulminante.
Um fato é inquestionável, Gabriel Aloísio Mallmann fez história:



1974 Iniciam-se as obras do trevo de acesso à cidade.
1975 Iniciam-se as obras de construção do entroncamento Rodo-ferro- hidroviário do Rio Taquari. Foi concluída a construção do Belvedere. Presidente Ernesto Geisel visitou o município.
1984 Inaugurado no dia 28 de novembro, o prédio da Brigada Militar de Estrela. Criado o Loteamento Popular com 35 residências no Bairro Imigrantes. Foram colocadas 3.500 lâmpadas de mercúrio no trevo de acesso, nas ruas da cidade e interior. Foi construído o Ginásio Municipal Oscar Chaves Garcia.
1985 Em julho foi fundada a AECA (Associação Estrelense de Canoagem). Em abril foi fundada a LEFA (Liga Estrelense de Futebol Amador).

1986 Em agosto foi fundada a OCVAT (Orquestra de Consertos do Vale do Taquari).
1988 Emancipa-se o Distrito de Arroio da Seca, passando a denominar-se município de Imigrante. Fim do governo de Gabriel Aloísio Mallmann.
Pesquisa: Airton Engster dos Santos
http://www.nossadica.com.br/opiniao/aepano








2 comentários:

Anônimo disse...

Baita picareta!

Ezequiel disse...

Para alguns é picaratagem, para outros, desenvolvimento. Pena que a seqüência de políticos, não soube aproveitar muita coisa. Aliás, quando um presidente da república veio pra região, se não na gestão dele?