segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

TEMPO DE SORVETE

A gente se delicia com um sorvete e não se dá conta que por trás existe uma história de 25 anos, não é?
Uma vida e tanto essa da Sorvebom.
Gosto dos sabores de frutas.


Entre uma lambida e outra, despreocupada, leio no banner fixado na parede da sorveteria que a indústria está em franco crescimento na av. Castelo Branco, “aquela” atrás da rodoviária.
E informa que para a empresa se instalar foi preciso transferir 9 figueiras.
E que foram plantadas 9.284 árvores.

Só não diz onde.

Fiquei curiosa: seriam palmeirinhas ou eucaliptos?

Assistindo a Thiago de Mello na TV Câmara, ontem, emocionado na defesa da floresta amazônica, a gente se pergunta se realmente existe uma consciência ecológica da parte dos empresários ou se tudo não passa de marketing social atrás de mais um “iso”?
"A humildade pode vencer a ignorância", acredita o poeta.

Dúvidas, dúvidas, enquanto me lambuzo com o sorvete de banana que lembra o da minha vó, em Cruz Alta...

3 comentários:

geheimnis disse...

nesse verão vou trocar a sorvebom pela sorvefrutas!

Anônimo disse...

Sorvebom!

Isso é sustententabilidade.
Isso é prova de que pode ser aliado cresciemnto e meio ambiente.
Um projeto audacioso que merece ser parabenizado e é oque todas empresas deveriam fazer.

Roberto Ruschel disse...

Laurinha, pelo que li o empreendimento da Sorvebom, trará integrado ao Projeto uma grande área de preservação, que lembra o que hoje tem em Jaraguá do Sul SC, que é o parque de WEG.
Simplesmente fantástico, onde preservaram a fauna e flora local. Já estou imaginando eu andando pelas trilhas ou no paradouro, sorvendo uma taça de SANGUE DE DRAGÃO.