quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

3º RODEIO QUERO-QUERO REPERCUTE

@ “... parece que teremos uma reunião na próxima semana via associação de moradores sobre o uso do parque do imigrante e graças a repercussão do assunto, muitas pessoas tem expressado a opinião de que algo deve ser feito...

tenho passado no parque diariamente após o rodeio, até ontem (3ªf) tudo ainda estava lá: lixo, sujeira e muita, muita m. dos cavalos e bois... hoje de manhã (4ªf), alguns locais tinham sido limpos, mas o ginásio onde aconteceu o baile estava imundo... e a m. todinha continua lá... as ruas ao redor do parque estão tomadas por lixo e ficarão até ...

para não me acusarem novamente de que estou apenas cuidando de meu sono, pergunto:

* se qualquer cidadão quiser usar o parque nesta semana, é nestas condições que o fará?

* porque não há uma equipe de limpeza concomitante ao evento ou no mínimo logo após?

* o rodeio é beneficente? por isso a limpeza é com a Prefeitura?

Segue abaixo o relato de um pai de uma grande amiga minha, contrariando a máxima de tudo que acontece nos rodeios é sagrado:


‘Comentei que o pai tinha feito parte de PTG, CTG e MTG e sei lá o que mais. Nós vivíamos em rodeios. No domingo, quando cheguei em Palmares comentei com ele que tinha rodeio em Lajeado e que qdo saimos da tua casa, às 2:30 min da madrugada estavam laçando ou gineteando, e som alto. Sabe o que falou ?

"Larguei os rodeios quando o pessoal começou a trocar o dia pela noite. Noite foi feita prá dormir. No meu tempo, a alvorada era as 5:00 com café campeiro e as 7:00 já tínhamos tratado os animais e estávamos encilhando os cavalos para começar as lidas.

Agora essa gente dorme quando o sol já nasceu. Isso não funciona.’

Diana Blum Kunzel

2 comentários:

Anônimo disse...

Há muito transito pelos meandros do Movimento Tradicionalista, antes mais uma filosofia de vida, com oa valores que ela carrega e transmite, do que um hábito ou hobbie. Os "rodeios" nasceram a partir da vontade daqueles homens que deixaram o campo e vieram morar na cidade. Era um momento de congraçamento. De encontrar amigos e relembrar e praticar atividades do dia-dia do homem do campo. Nao havia a disputa acirrada por um prêmio, e muito menos fosse este prêmio de algum valor econômico. Premiava-se com um troféu aos melhores, e isto era motivo de muito orgulho. Familias se reuniam e matavam a saudade. Os tempos mudaram, e os rodeios refletem o que a sociedade passa a vangloriar. O material. Hoje uma boa parte dos frequentadores vai a rodeio em busca de prêmios em dinheiro, motos, carros, e de menos lhes importam efetivamente os valores tradicionalistas. É uma fase, acredito, que também vai passar. Os valores que merecem cultivo serão também resgatados, mas para isso é preciso de conscientização de cada um. Você nao precisa usar uma bombacha e ser tradicionalista para ser um cidadão de bem, e nem todo bombachudo será necessariamente um cidadão de bem. Cada qual pode e deve fazer sua parte, pensando desta forma, e influenciando as pessoas a pensarem também desta forma. O dia em que estes valores forem resgatados, acredite, os homens terão a preocupação também com a natureza, com o seu próximo, a consideração, e aí quem sabe haverá, inclusive, uma equipe de limpeza concomitante ao evento. A famigerada Cavalgada do Mar, que antes deixava aquele rastro de estrume pela orla, agora vem seguida por uma equipe de limpeza. O exemplo haverá de ser seguido também pelos promotores de rodeios.

Alexandre Luiz disse...

É Sra., Diana bastou algumas noites mal dormidas para acontecer uma revolução na Cidade.A narração do tiro-de-laço e o mau cheiro do estrume encomodou muita g$nt$. Para seu conhecimento, muitos de seus "comunas" não tem a mesma força de mobilização. Tiveram que se acostumar com o mau cheiro oriundo de algumas empresas importantes de Lajeado, tão pouco não reclamam das noites mal dormidas em função dos "razantes" dos mosquitos que infestam a nossa tão querida Lajeado. Mas é isso, "manda quem pode e obedece quem tem juizo".