segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

TEMPO DE RODEIO

Durante cinco dias ouvi a locução monótona do cara do rodeio. E incompreensível para ouvidos sem treino. O som varou a noite e chegava até o bairro Americano. Um calor do cão... Fui conferir e cheguei a seguinte conclusão: gaúcho que se preza tem que ter bigode!

As gurias, laçando ou não, deixaram um rastro de suspiros.... e despertaram inveja por onde troteavam.

Por fim, as crianças. Só por elas, o Rodeio já vale à pena.

Piazito de 5 anos, das bandas de Conventos, laçou de igual para igual.

Jordana,6 anos, criada em cima de lombo de cavalo.

E o jovem peão maragato: é de pequeno que se ama as tradições.

São eles que ainda vão amarrar os cavalos no obelisco em Brasília. Tomara!

Um comentário:

Róger D'Oliveira disse...

Nossa Laura! Quanta normalidade,né? Aprendeste a laçar pelo visto. Parabéns pelo bom gosto, pelo senso crítico e acima de tudo, pela seletividade... viva o rodeio. Viva a tortura aos animais de outras espécies!